Nosso sistema imunológico foi programado para atacar qualquer coisa que ele não reconheça como ‘original de fábrica’. Isso garante a defesa contra agentes nocivos à saúde, como bactérias e vírus. No entanto, algumas vezes, algo sai errado e o sistema imunológico passa a atacar nossas próprias células, tecidos e órgãos. Essa situação é o que ocorre nas doenças autoimunes.

Na maioria dos casos não há cura, mas existem muitas alternativas para desacelerar a progressão dos danos e amenizar os sintomas, evitando a evolução do problema para quadros mais graves.

Conheça algumas doenças autoimunes de maior prevalência na nossa região:

Artrite reumatoide: É caracterizada pelas dores e rigidez articulares, dificuldade de movimentação pela manhã, vermelhidão e inchaço dos locais afetados. As articulações normalmente atingidas são dos dedos das mãos e dos pés, punhos, tornozelos e joelhos. Acontece quando o sistema imunológico ataca componentes das articulações. Não se sabe ao certo as causas deste problema, mas existem hipóteses de que fatores genéticos, tabagismo, infecções por certos vírus, além do estresse emocional podem desencadear a artrite reumatoide. O tratamento inclui o uso de anti-inflamatórios, corticoides ou imunossupressores.

Vitiligo: Essa doença causa a perda gradativa da pigmentação da pele, pois as células de defesa destroem progressivamente os melanócitos, que são células responsáveis pela pigmentação da pele. O aspecto emocional está fortemente associado à origem desta condição. O tratamento é feito com substâncias tópicas que modulam a atividade dos leucócitos e outras substâncias que auxiliam na repigmentação da pele associadas à fototerapia (com luz UVB), além de antioxidantes e vitamina D.

Psoríase: É uma doença crônica em que os leucócitos atacam as células da pele, estimulando a produção de novas células, o que leva ao aparecimento de lesões avermelhadas e descamativas, que dão aspecto de pele grossa. Pode afetar pele, unhas e articulações. Algumas condições favorecem o aparecimento da psoríase, como: ansiedade, irritabilidade, estresse, sobrepeso, diabetes, hipertensão, alcoolismo e tabagismo. Apesar de incurável, pode-se ter períodos prolongados de remissão. Para isto, a hidratação da pele é essencial. A aplicação de cremes e loções hidratantes com substâncias queratolíticas, emolientes ou umectantes contribui para o alívio da doença. O tratamento das crises é feito com a aplicação de cremes com corticoides e pode ser necessário o tratamento sistêmico.

Doença celíaca: Nesta doença, as células de defesa agridem as células da mucosa do intestino delgado, e esta agressão é desencadeada pela exposição ao glúten. Esta doença compromete a absorção de vitaminas e nutrientes no intestino, provocando emagrecimento, anemia, queda de cabelo, diarreia ou constipação intestinal. Não existe tratamento para esta doença. Para manter a doença sob controle, a ingestão de alimentos que contenham glúten deve ser excluída da rotina. Devido ao quadro de carência de vitaminas e minerais decorrentes da doença celíaca, a suplementação destes nutrientes pode ser benéfica, além do uso de lactobacilos para reequilibrar o bioma intestinal.

Tireoidite de Hashimoto: Caracterizada pela inflamação causada pela ação dos anticorpos contra as células da tireóide. Provoca a lenta redução da atividade desta glândula, levando ao quadro de hipotireoidismo. O tratamento é feito com a reposição do hormônio T4.

Dermatite atópica: É uma inflamação crônica da pele que provoca eczemas e coceira. Ocorre em pessoas predispostas geneticamente a desenvolver alergia a múltiplos alérgenos. A pele perde a função de barreira e fica mais seca que o normal, provocando coceiras, escamas, crostas e edema. A hidratação da pele é essencial para o controle da dermatite. Esta hidratação deve ser feita ingerindo bastante água e usando cremes adequados. A suplementação de Ômega 6 também pode auxiliar na melhora dos sintomas. Deve-se evitar banhos quentes ou prolongados e usar sabonetes especiais.

Estas doenças autoimunes citadas acima são as mais comuns. Existem outras, como o Lupus, a Alopecia areata e a Síndrome de Sjögren. Todas essas doenças tem em comum o funcionamento inadequado do sistema imunológico. Em grande parte delas, os fatores emocionais, como o estresse e a ansiedade, são os principais fatores desencadeantes. Desta forma, é essencial controlar estes fatores, mantendo o sistema imunológico e o funcionamento do intestino em dia.

A dieta deve ser revisada de forma a excluir alimentos potencialmente inflamatórios. Grande parte da serotonina e da melatonina é produzido no intestino saudável. Estas substâncias reduzem a ansiedade e melhoram a qualidade do sono. Assim, manter a saúde do intestino é fundamental para o controle da ansiedade e do estresse. O uso de lactobacilos é bastante indicado por controlar processos inflamatórios na mucosa intestinal, regularizando a absorção de nutrientes e auxiliando na saúde da mucosa. A suplementação com antioxidantes, minerais e vitaminas, principalmente vitamina D e as do complexo B, também podem ser benéficas em muitos casos.

Somente um médico poderá diagnosticar as doenças autoimunes. No entanto, o tratamento deve ser feito com um acompanhamento multidisciplinar, com médicos, nutricionistas e farmacêuticos. A farmácia de manipulação é uma aliada neste trabalho, personalizando as doses e preparando os produtos isentos de substâncias que pode fazer mal aos indivíduos mais sensíveis.

Leave Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

clear formSubmit